Uma luz do alto

IrmAparição de Nossa Senhora do Divino Pranto a Irmã Elizabeth Redaelli
Cernusco, 23 de fevereiro 1924

     

Na comunidade das Irmãs Marcelinas, em Cernusco, na Itália, berço da Congregação, o médico Dr. Bino, no dia 6 de janeiro de 1924, apresenta seu diagnóstico a respeito de uma jovem religiosa enferma, Irmã Elizabeth: "Nada mais posso fazer por ela. A medicina já não tem recursos neste caso...". Muito querida por todos, a irmã está cega, debilitada, prostrada por tremendas dores. Muitas vezes, fica, durante horas e horas, inconsciente. Imersa em dores, o sorriso permanece em seus lábios.

Às dez e trinta da noite, na casa religiosa todas dormem. Na enfermaria, Irmã Elizabeth respira com muita dificuldade. De repente, a religiosa começa a falar. As irmãs presentes escutam atônitas o que ela diz:

"Oh! Como a Senhora é boa! Mas eu tenho uma dor tão grande que nem sei oferecer direito a Deus... Reze a Senhora que é tão boa!".

As religiosas estão atentas, mas não podem ouvir a resposta da ’Senhora’ que, no entanto, fala: "REZA! CONFIA! ESPERA! Voltarei de 22 para 23". Em meio ao seu sofrimento, a enferma pensa na dor das outras irmãs enfermas: "Vá falar com Irmã Teresa, Irmã Amália e com Irmã Elisa Antoniani, que há tantos anos está doente!". A boa ’Senhora’ sorri e desaparece.

Na manhã seguinte, as companheiras de quarto comentam: "Ontem, à noite, Irmã Elizabeth não parava de falar, sonhando". Prontamente ela respondeu: "Não sonhei, falei com aquela ’Senhora’". As religiosas sorriem penalizadas. A enfermeira, bondosa e enérgica, repreende a Irmã Elizabeth, dizendo: "Que pode ter visto, você, que está cega há um ano? Você sonhou e não invente tolices!..." A Superiora, Irmã Ermínia Bussola, também tenta convencê-la: "... Quero-lhe muito bem e não a engano. Repito que, aqui em casa não veio ninguém de fora. Você sonhou." A pobre Superiora por toda a sua vida teve que lamentar-se de sua incredulidade. Foi, ao invés, no plano de Deus, uma das tantas provas que autenticaram a aparição.

Irmã Elizabeth prossegue tranqüila carregando sua cruz. Chega fevereiro, trazendo neve e frio intenso. A enferma aguarda um novo encontro com a ’Senhora’ para o dia 2. Não dorme, ouvindo as batidas do relógio e conta as horas. A noite passa sem nenhuma novidade. Vem a manhã do dia 3 e Irmã Elizabeth mal disfarça o choro. A Superiora pergunta-lhe a razão da tristeza. A enferma responde: "Ela não veio... tinha dito de 2 para 3... A Superiora fica preocupada com as faculdades mentais de Irmã Elizabeth que piora a cada dia. Novamente o médico é chamado. Sua opinião: "Desta vez é o fim. Não há nada mais a fazer. A Irmã tem poucas horas de vida".

No dia 22 de fevereiro, na enfermaria, Irmã Gariboldi vela pela agonizante acompanhada de outra religiosa. São vinte e três horas e quarenta e cinco minutos. As duas Irmãs rezam em voz baixa. Pedem misericórdia para a co-irmã que sofre tanto. Neste momento, Irmã Elizabeth tem um sobressalto. As Irmãs acodem, pensando que chegou o momento final. Mas, aquela que há quinze dias não fala, grita, agora: "Oh! a ’senhora’! a ’senhora’"! Trêmula, a Irmã Gariboldi convida a outra Irmã a ajoelhar-se e murmura: "Se for a Senhora, levá-la-á consigo!" Sem nada entender, as duas espectadoras ouvem atentamente: "Oh! a ’senhora’! De 22 para 23? Pois eu havia entendido de 2 para 3. E era de 22 para 23!..."

De repente, a Irmã Elizabeth se ergue um pouco mais e sua atitude é de espanto quando diz: "Mas, ’senhora’... é Nossa Senhora! É Nossa Senhora!" Ela vê que a Virgem traz o Menino Jesus nos braços e ele está chorando. "Chora por meus pecados? Chora porque não o amei bastante?..." As religiosas presentes nada ouvem mas pressentem que algo extraordinário está ocorrendo. A Senhora responde: "... O Menino chora porque não é bastante AMADO, PROCURADO, DESEJADO, também pelas pessoas que Lhe são consagradas... Tu deves dizer isto!"

Irmã Elizabeth ainda não percebe a missão que a Senhora lhe confia. Ela julga que a Virgem viera levá-la ao paraíso, no que se equivoca. Maria quer dar-lhe uma missão e para tanto lhe dá um sinal: devolve-lhe a saúde e desaparece com seu Menino. Alguém se lembra de chamar a Superiora que se levanta, achando que vai encontrar a enferma dando seu último suspiro. Ao invés disso, vê a doente luminosa, de olhos radiantes. Irmã Elizabeth corre a abraçar a Superiora, exclamando: "Nossa Senhora curou-me e mandou-me dizer que Jesus chora porque não é bastante AMADO, PROCURADO, DESEJADO, também pelas pessoas que lhe são consagradas!"

O médico que a acompanhou sempre afirmou: "A cura de Irmã Elizabeth não pode ser explicada pela ciência". Antes, ateu, converteu-se e tornou-se um cristão fervoroso. Mais tarde, conseguida a aprovação da Igreja para este culto de Nossa Senhora, foi modelada uma imagem, de acordo com a descrição feita por Irmã Elizabeth.

Ainda hoje, em Cernusco e em vários países, as Irmãs Marcelinas espalham esta devoção à Virgem Santíssima. A afluência de peregrinações ao local da aparição é grande. A capela já não é suficiente para conter todos aqueles que, cheios de fé, diante da Virgem do Divino Pranto, REZAM, CONFIAM e ESPERAM.

 

Video

 

 

 

Primeiro colégio das Irmãs Marcelinas em Cernusco (Milão)

Estátua de de Nossa Senhora do Divino Pranto.

Particolare della statua in cui si notano le grosse lacrime del Bambino Gesù

Jaculatória

Jaculatória: Querido Menino Jesus, amar-Vos-ei muito para enxugar as lágrimas que Vos faz derramar a ingratidão dos homens. (3 Gloria)

Irmã Elizabeth Redaelli (1980)

Cernusco sul Naviglio (Milão): capela de de de Nossa Senhora do Divino Pranto.

 

Questo sito utilizza i cookie. Continuando a navigare in questo sito, concordi con la nostra politica sui cookie.